Medidas de combate ao

terrorismo aprovadas

A Assembleia da República aprovou 3 dos 5 projetos que o CDS apresentou para prevenção e combate ao terrorismo.

 

O deputado Telmo Correio, um dos rostos da iniciativa, considera que “Foi positivo. Ainda assim, fica a ideia que estamos sempre na primeira linha e muitas vezes sozinhos, ficaram de resto por aprovar os nossos projetos relativos à perda de nacionalidade e afastamento dos terroristas.”

 

O CDS congratulou-se com a aprovação de três diplomas do partido no âmbito da segurança e combate ao terrorismo e pediu "urgência" na conclusão dos trabalhos parlamentares no que se refere ao acesso aos metadados pelas ‘secretas'.

 

O Parlamento aprovou na generalidade, com a oposição do Bloco, PCP e PEV, os diplomas do Governo e do CDS para acesso dos agentes dos serviços de informações a dados de tráfego de comunicações eletrónicas.

 

"Significa que os nossos serviços de informações passarão a dispor de dados de informação e tráfego para melhor combater o terrorismo", afirmou Telmo Correia, manifestando "total disponibilidade" para que, em sede de comissão, se consiga chegar a um texto único entre os diplomas do Governo e do CDS nesta matéria.

 

Telmo Correia pediu que o debate na especialidade prossiga agora com "a maior urgência", considerando "quase histórica" a aprovação.

 

"Pensamos que isso deve ser feito com a maior urgência e com a maior pressa para que rapidamente Portugal esteja como está todo o resto da Europa", apelou.

 

O deputado do CDS destacou ainda aprovação de outros dois projetos do partido - uma recomendação ao Governo para que apresente em 90 dias o plano de segurança dos aeroportos internacionais - e outra para que a formação em combate ao terrorismo seja alargada a todas as forças de segurança que fazem proximidade.

 

Telmo Correia lamentou que tenham sido rejeitadas as propostas do CDS sobre nacionalidade, "designadamente a que levaria à perda da nacionalidade portuguesa de quem se junta às fileiras do terrorismo", mas garantiu que a bancada parlamentar centrista não desistirá da ideia.